Textos

295 DE 500 REFLEXÕES: DEPENDÊNCIA MORTE (?!) – II ...
 
No texto anterior: 294 DE 500 REFLEXÕES: DEPENDÊNCIA MORTE (?!) ...eu disse:

Nossa triste, pobre e podre sociedade passa por um momento ruim... Ao longo da odisséia humana na terra aconteceram outros momentos assim, o problema é que o ser humano está acostumado a olhar isso como se fosse apenas algo ruim e. pronto... pode ser que as coisas entrem no padrão razoável e, pronto...

MAS, será, apenas isso e, pronto?

Seremos felizes???

Pode ser relativo...

CONSIDERE!!!

Esse tipo de coisa é tão sério que, está mais presente em nosso meio, do que se pode imaginar...

PIOR... COMO FAZ PARTE DE UMA MANEIRA INCORRETA DE VER O MUNDO (E TUDO QUE EXISTE), NO PRIMEIRO MOMENTO, AS PESSOAS NEM SE DARÃO CONTA...

ESSA FORMA INCORRETA DE VER O MUNDO (ESSA COSMOVISÃO) ESTÁ PRESENTE EM VÁRIAS ÁREAS DA SOCIEDADE...

A SOCIEDADE É FEITA DE PESSOAS, NÃO É???

CONTINUA...

Continuando, ao invés de dizer, poderia lembrar que, quando criança, lá em minha terra (Salgueiro – PE da década de 1970, há meio século), diziam que,o país não poderia produzir àqueles filmes de faroeste italianos ou americanos, que estávamos acostumados a assistir no Cine Salgueiro ou no Cine São Raimundo (que existiu por algum tempo nas imediações da atual Praça Elias) por escassez de atores pra encenar o papel de bandidos e, excesso de atores pra encenar o papel de mocinho...

Por essas e outras não duvido que mais que de repente o desgoverno anuncie mais melhoras nos indicadores da economia nacional ao mesmo tempo que informa que podemos até ser campeões de propinas e pizzas, mas pelo menos não acontecem terremotos, ciclones ou chacinas como aquela dos states onde um atirador matou dezenas de pessoas, ferindo centenas...

PAUSA PARA REFLEXÃO ANTES DE CONTINUAR...
fchagass
Enviado por fchagass em 03/10/2017
Alterado em 03/10/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr